Homepage
topo_2.jpg





Tecnologia Gases Inertes Imprimir E-mail

Por convênio firmado com o Instituto Cultural Flávio Gutierrez (IFMG) para utilização do laboratório de conservação e restauração do Museu de Artes e Ofícios (MAO) o Grupo Oficina de Restauro - obedecendo aos padrões de excelência inerentes ao processo - desenvolveu e ali estabeleceu o método de desinfestação de obras confeccionadas em madeira ou em materiais celulósicos com o uso de gases inertes.

Tecnologia Gases InertesO primeiro trabalho empregar a técnica de atmosfera anóxia ocorrido no laboratório do MAO foi realizado na imagem setecentista de Santa Efigênia pertencente à igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, de Mariana, e que foi fruto de uma parceria do ICFG com o Museu Arquidiocesano.

Totalmente equipado para o tratamento de descupinização e imunização preventiva de madeiras e documentos, o laboratório, além de contar com o plástico de barreira para feitura das bolsas de gases inertes (argônio e nitrogênio), possui câmeras de vidro para fumigações, banheiras para imunizações, dentre outros equipamentos adaptados para receber obras de arte, arquivos e bibliotecas em geral, assim como objetos de madeira em tamanhos variados.

Sistema anóxio para 
DESINFESTAÇÃO DE DOCUMENTOS E BENS CULTURAIS

No intuito de ampliar as suas ações no campo da preservação de obras de arte, a empresa Grupo Oficina de Restauro vem, desde o ano de 2008, utilizando a técnica dos gases inertes para o combate e a erradicação de agentes biológicos em coleções e arquivos que contenham material celulósico.

Esse processo é seguro, não inflamável e totalmente inerte ao material em tratamento. É monitorado por equipamentos de última geração com altíssimo nível de sensibilidade e precisão. Com tecnologia de ponta, tem sua eficácia cientificamente comprovada e patenteada. Não modifica as propriedades físico-químicas do bem tratado ficando este absolutamente inalterado em sua forma original, mesmo em grau microscópico. Com equipamento portátil, o procedimento pode ser realizado in situ e moldado na forma e tamanho necessários para o tratamento.

O método, também denominado anóxia ou atmosfera modificada, consiste no isolamento de partes do material infestado no interior de bolsas plásticas impermeáveis de alta barreira, e na substituição do oxigênio por um gás inerte, nitrogênio ou argônio, que reduz o oxigênio contido em cada bolsa para níveis inferiores a 0,2%. O período de permanência do material dentro da bolsa é de, no mínimo, 30 (trinta) dias. Sugere-se, após a intervenção, a aplicação de barreira química no espaço de exposição ou de acondicionamento do material tratado, com o objetivo de impedir a ocorrência de novos ataques de xilófagos, bibliófagos, etc. O processo garante o extermínio tanto do inseto adulto quanto do ovo, da larva ou da pupa.

O controlo dos índices de oxigênio no interior das bolsas é obtido com o auxílio de oxímetros, enquanto a umidade relativa do ar e a temperatura são igualmente monitoradas com o emprego de termo-higrômetros. O volume dessas bolsas pode variar de 1 a 250 metros cúbicos. Como mencionado, a montagem de toda a estrutura pode ser feita in loco ou, no caso de limitação de espaço, em local seguro e de inteira responsabilidade do Grupo Oficina de Restauro.

Tratamento por anoxia em periódicos pertencentes à Biblioteca Mário de Andrade - São Paulo/SP

Site: www.grupooficinaderestauro.com.br

email: Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Endereço: Rua Ceará, 1593 – Funcionários – Belo Horizonte/MG - Cep: 30150311

Telefones: (31) 32271063 – (31) 32873041

 

 

mail@grupooficinaderestauro.com.br Grupo Oficina de Restauro
Conservar sem ser Conservador
Topo
Homepage